© 2009 InfoVINHO I Confraria Black Tie

 África do Sul

  A fabricação de vinhos na África do Sul tem uma longa história, que começa em uma data certa: em 7 de abril de 1652, Jan van Riebeeck atinge o solo sul-africano e logo percebe que o clima é propício para a produção de vinhos. As primeiras videiras chegaram da França por navio, e já em 1659 foi fabricada a primeira safra.

 

  Em 1679, foi fundada a nova cidade de Stellenbosch, hoje o centro da produção de vinhos na África do Sul. No ano de 1688, devido às perseguições religiosas, chegaram imigrantes franceses, trazendo muito conhecimento sobre a vinicultura, fundando a região chamada “canto francês” (Franschhoek).

 

 Hoje a fabricação de vinhos está situada na província do cabo leste, no sudeste da África. O clima mediterrâneo, quente e ensolarado, mas raramente quente demais, com longos verões, além das montanhas ricas em granito e da ardósia tipo Malmesbury, que armazenam água, e a ardósia Bokkeveld nas margens dos rios, fazem dessa região um ótimo cenário para a produção de vinhos de qualidade.

 

  A Região Litoral consiste nos distritos de Paarl, Stellenbosch, Swartland, Tulbagh, Tygerberg e Cape Point. Muitos bairros importantes, tais como Constantia,

Durbanville, Franschoek e Simonsberg, ficam dentro desta área.


  A Rota 62, que serpentea pelo Breede River Valley e o Klein Karoo, atravessa cidades produtoras de frutas e vinhos como Barrydale, Montagu, Ashton, Bonnievale, Tulbach, Paarl e Wellington, tornando-a a rota de vinho mais longa do mundo.


  Paarl, cerca de 50km de Cape Town, situa-se no Rio Berg ao pé da Montanha de Paarl (Depois das chuvas, os pedregulhos de granito da montanha brilham como pérolas, daí o nome da pitoresca cidade).

 

 

 

Classificação dos Vinhos:

 

  A lei e classificação dos vinhos na África do Sul é bastante simplificada e pouco limitante, deixando os vinicultores bem livres para plantar e cortar como quiserem. Isso não quer dizer que não haja um controle rigoroso sobre a produção. Ao contrário: na África do Sul, existe uma organização responsável por provar e aprovar a maioria dos vinhos lá produzidos e a totalidade dos que serão exportados. Esta organização, a Wine and Spirits Board, é também responsável pela regulamentação das origens, que são: Constantina, Douglas, Durbanville, Fransschooek, Klein, Karoo, Olifants River, Orange River, Overberg/Walker, Bay/Elgin, Paarl, Robertson, Stellenbosh, Swartland, Swellendam, Tulbagh, Worcester.

    A classificação oficial de regiões da África do Sul se baseia em 3 níveis de hierarquia: Região, Distrito e Wards.

    Os Wards são pequenos núcleos de vinícolas, podendo estar dentro de um Distrito ou não.

    Dessa forma, alguns Distritos possuem Wards, outros não.
 

Regiões Produtoras:

 

Franschhoek – Os primeiros habitantes desta área foram os Huguenotes, protestantes franceses que se estabeleceram aí no século 17º, e que trouxeram com eles os seus conhecimentos de vitivinicultura. A maioria das fazendas e propriedades de vinho tem nomes franceses. Ficando num vale pitoresco e a uma hora de carro de Cape Town, Franschhoek oferece aos visitantes uma gama de vinhos para acompanhar boa comida francesa.

Wellington - A pequena e compacta rota de vinho de Wellington fica a apenas 45 minutos de carro de Cape Town. Localizado perto de Paarl, Wellington é conhecida pelos seus vinhos tintos de qualidade de topo, tais como Cabernet Sauvignon, Merlot e Pinotage, bem como velhos favoritos como Chenin Blanc, Sauvignon Blanc e Chardonnay.

Stellenbosch – Famoso pela sua arquitetura holandesa do Cabo e ruas com carvalhos alinhados, a pitoresca cidade universitária de Stellenbosch tem sido um centro importante para a produção de vinho na África do Sul por mais de 300 anos. A 30 minutos de carro de Cape Town, a localização dos vinhedos entre as Montanhas de Stellenbosch e o mar, é decisiva para a qualidade dos vinhos. Enquanto a região mais conhecida pelos seus tintos como Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinotage, e Shiraz, há bolsas de vinhedos que produzem vinhos brancos de alta qualidade.

Helderberg - Esta é a rota mais nova de vinho do Cabo, que fica a apenas 15 minutos de carro do Aeroporto Internacional de Cape Town, com vistas empolgantes através da False Bay. Vencedoras de numerosos prêmios, algumas propriedades são adegas de boutique que ainda utilizam métodos tradicionais de compressão.

Durbanville, Constantia e Tulbagh:

Durbanville – Situada a 20 km de Cape Town, Durbanville Hills oferece uma vista espetacular de Table Mountain, Table Bay e a Ilha de Robben. Limitadas pelo Atlântico, as colinas e os vales criam uma variedade de micro-clima ideal para a produção de vinhos nobres.

Constantia - O Vale da Constantia aconchega-se nos declives mais baixos da Montanha da Constantia, uma extensão da Table Mountain, desta maneira, é a rota de vinho mais próxima para Cape Town. É também a mais histórica, quatro das cinco propriedades na região formam parte da fazenda original , Groot Constantia, estabelecida em 1685 por Simon van der Stel, o primeiro Governador holandês do Cabo. Brisas marítimas frescas, solo excelente, sol moderado e boa chuva ajuda na produção de vinho tinto, branco de alta qualidade.

Tulbagh - Os vinhedos de Tulbagh, que ficam a uma hora de carro da Cidade do Cabo, são plantados ao lado de pomares caducos e campos de trigo, rodeados nos três lados pelas Montanhas de Winterhoek. A histórica Church Street de Tulbagh orgulha-se de não menos 32 monumentos nacionais. As primeiras videiras foram plantadas por Rijk Tulbagh três séculos atrás.

Swartland, Rio de Olifants e Klein Karoo:

Swartland - O nome significa “terra preta” refere-se ao solo escuro e rico da área. A 40 minutos de carro de Cape Town, os vinhedos de Swartland estendem-se de Darling na costa ocidental para a Montanha de Olifants em Porterville no leste. Nos últimos anos, Swartland teve muitos êxitos na produção de vinhos Pinotage de alta qualidade. A cidade de Darling é famosa pelas suas flores silvestres de primavera e abriga uma exposição anual de flores.

Rio de Olifants - Um grupo de exploradors holandeses deram-lhe o nome de rio Olifants por causa de uma manada de 300 elefantes que eles viram nas suas margens. A tradição de produção de vinho no Vale do Rio Olifants data de mais 200 anos atrás. A região inclui as Montanhas de Cederberg e Vredendal. A rota de vinho passa mais de 200km através das Montanhas de Cederberg e Namaqualand, famosa pela sua profusão de flores silvestres na primavera da África do Sul. Ostenta a adega mais alta do país – 1 150m acima do nível do mar.

Klein Karoo - Esta rota de 300 km, cercada por uma séries de montanhas espectaculares, é a parte mais ao leste das vitiviniculturas do Cabo. Estendendo-se de Montagu para Oudtshoorn, produz alguns dos vinhos, conhaques, moscatel e cabernets mais finos da África do Sul. Existe também criação de avestruzes nesta região semi-árida.

Robertson, Worcester e Overberg:

Vale de Robertson - Menos de duas horas de carro de Cape Town, situa-se o Vale do Vinho Robertson, conhecido pelos seus cavalos campeões, vinhos excelentes e sua abundância de rosas, conseqüentemente a descrição “do vale de vinho e rosas.” Seguindo o curso do Rio de Breede, esta região se estabeleceu como centro principal de produção de vinho, em grande parte devido à sua terra de pedra calcária e temperaturas noturnas frescas, ideal para Chardonnay em particular, mas também para Cabernet Sauvignon e outras variedades.

Worcester - em termos de volume, Worcester é o maior distrito produtor de vinho da África do Sul, produzindo quase 25% de vinhos do país. Situado no pitoresco Vale do Rio Breede, fica a uma uma hora de carro de Cape Town, o distrito cerca Wolseley, Rawsonville e o pitoresco Hex River Valley. A cidade de Worcester abriga a adega do conhaque do KWV, o maior de seu tipo no mundo. O distrito também é conhecido pelo seu Chenin Blanc e vinhos de Chardonnay.

Overberg – Este é um distrito de vitivinicultura relativamente novo, onde se encontram os vinhedos mais ao sul do Cabo. Na área do Walker Bay, visitas às propriedades de vinho podem ser organizadas com observação de Baleia em Hermanus, que fica perto. Brisas frescas do Atlantico são ideais para a produção de vinhos Sauvignon Blanc, Chardonnay e Pinot Noir.

Outras Regiões Produtoras:

Rio Orange - Não muito distante de Cape Town, esses vinhedos situam-se para o norte da África do Sul, no Northern Cape. Estando no meio de uma paisagem árida, chamuscada pelo sol, as videiras florescem com a irrigação dos Rios Orange, Vaal e Riet.


Loopspruit - A propriedade de vinho mais para o leste da África do Sul encontra-se em Loopspruit, Mpumalanga.


Jacobsdal - A propriedade de Jacobsdal no Free StateEstado produz alguns vinhos agradáveis.