Segundo a História, as vinhas e o vinho apareceram pela primeira vez na Grécia, por volta de 4000 a.C. Dionísio, filho de Zeus, era o deus da vegetação e do vinho e era adorado com festas e eventos em várias ocasiões.

   Antigos autores escreveram sobre as áreas de produção, as celebrações e as festividades do vinho. Existem descrições detalhadas de processos de produção de vinho em inscrições que datam de 2500 a.C. A mais antiga prensa de vinho do mundo foi conservada na área de Arhanes, na ilha de Creta. Foram encontradas grainhas de uvas em túmulos antigos. Na Ilíada, Homero também descreve muitas cidades e regiões da Grécia como produtoras de vinho e elogia as suas tradições na produção desta bebida.

   Na Grécia Antiga, o vinho era utilizado não só como bebida, mas também como medicamento. Era servido em copos de várias formas e tamanhos, cada um com um nome diferente. Vasos como as ânforas eram utilizados para servir o vinho no Symposium. As Kratiras (krater) eram vasos largos, de excelente qualidade, usados para armazenar o vinho. Um dos mais magnificentes kraters e também um dos mais bem conservados, está exposto no Museu Arqueológico de Salonica, uma peça da Escola de Praxíteles. 

   A Grécia produz uvas para vinho e fruta seca. No país são cultivadas cerca de 250 variedades de uvas. O vinho grego é de boa qualidade. Só por si é uma bebida refrescante mas é também um óptimo acompanhamento às refeições. De Norte a Sul, o país é rico em bom vinho. As vinhas são cultivadas em quase todo o continente e em todas as ilhas. No norte da Grécia, as áreas de produção de vinho mais importantes são Naousa, Goumenisa, Amynteo, Siatista e Halkidiki. Algumas das variedades produzidas na Macedónia são: Xynomavro, Moshomavro, Athiri, Asyrtiko e Agioritico, produzido nas vinhas do Monte Athos (Agio Oros).

   O vinho mais conhecido, bebido sobretudo no Verão, é o 'retsina'. É feito pela adição de resina de pinheiro a vinho branco durante a fermentação. O vinho retsina tem um invulgar sabor de resina de pinheiro e pode ser consumido quer à pressão, extraído do barril, quer em garrafa. Por vezes, é servido com água gaseificada. Mavrodaphne é outro vinho tinto doce, bastante conhecido tanto na Grécia como em outros países. Em Cefalónia é produzido o vinho Robola, ao passo que o vinho Moshato de Samos, é conhecido em todo o mundo. O vinho espumante é feito quando o gás produzido durante a fermentação fica no vinho. Em Rodes é produzido o vinho espumante CAIR.

  ( Vinícola Boutari )  

 

    A produção profissional de vinhos teve impulso com a independência em 1830. Em 1971, foi introduzida a certificação com base no sistema francês. Desde a participação da Grécia como membro da União Européia em 1981, houve uma grande mudança na produção de vinho. No ano de 2003, havia 130.000 hectares de vinhedos e foram produzidos 3,8 milhões de hectolitros (cem litros) de vinho. O solo rico em cal, granito e pedras vulcãnicas e a temperatura predominantemente agradável fazem das condições naturais ideais para a vinicultura. Os outonos secos são ótimos para o amadurecimento da uva.

O poeta Virgílio (70-17 a.C.) disse: "É mais fácil contar os grãos de areia do que os tipos de uva existentes na Grécia."

 

  A Grécia possui as seguintes regiões vinícolas:

- Centro - Euboea

- Epirus

- Ilhas do Ageu

- Ilhas Jônicas

- Macedônia

- Peloponeso

- Thessalia

- Trácia