Há algumas gerações, a Austrália passou a ser um país apreciador de vinho. Os vinhedos ocupam cerca de 160.000 hectares. No ano de 2011, foram produzidos cerca de 17 milhões de hectolitros  de vinho. Cerca de 80% são produzidos por Multis Hardy, Mildara, Orlando, Southcorp e Yalumba com suas vinícolas filiadas. A qualidade é excelente, e os enólogos australianos são cobiçados internacionalmente. Cerca de 70% da produção é massificada, chamada de Bag-in-Box-Wine. Uvas de mesa e uvas passas também são produzidas em quantidade. Produtores renomados são Beringer Blass, Brand´s, Coldstream Hills, Glaetzer, Hardy, Heggies, Hill Smith Estate, Katnook Estate, Lindemans, McWilliams, Mildara, Mitolo, Orlando, Penfolds, Peter Lehmann, Pewsey Vale, Rosemount Estate, Rothbury Estate, Rymill, Seppelt, Southcorp, Taltarni, Wynns e Yalumba. Cerca de 40% da produção é de vinho branco, enquanto 60% são de vinho tinto.  

       Nas vinícolas australianas  os enólogos utilizam técnicas de vinificação muito bem estabelecidas e executadas com extrema maestria.

      Hoje, estes enólogos, auto intitulados "flying winemakers", estão viajando por todo o mundo, ensinando estas técnicas a outros produtores, mesmo em países com enorme tradição na produção de vinhos.  Estas técnicas incluem o rigoroso controle de higiene em todo o processo de vinificação, uso de tanques de aço inoxidável com controle de temperatura para a fermentação do mosto, uso de leveduras selecionadas, uso maciço de madeira por curtos períodos de tempo, mistura de uvas de diferentes regiões vinícolas e eventuais correções na acidez do mosto, durante a fermentação alcoólica. Esta sumária descrição de técnicas é na verdade uma simplificação grosseira do que realmente ocorre e se aplica primariamente à grande maioria dos vinhos australianos, que são produzidos em quantidades relativamente grandes, com uvas colhidas invariavelmente por meios mecânicos.

    Os grandes vinhos australianos costumam ter um processo de vinificação bem mais elaborado e complexo, sendo cada vez com mais freqüência a expressão de determinados "terroirs".  Hoje na Austrália existem cerca de 800 vinícolas, porém apenas quatro grandes companhias vinícolas, que respondem por cerca de 80% dos vinho produzidos: BRL Hardy, Mildara-Blass, Orlando e Southcorp Wines. A maior restrição que os puristas fazem aos vinhos australianos é que os mesmos não possuem identidade própria, sendo muito parecidos entre si, não expressando diferenças de região ou microclima. Talvez haja uma dose de razão neste tipo de crítica, porém a elevada qualidade de grande parte dos vinhos australianos, sua enorme disponibilidade na imensa maioria dos casos e sua imbatível relação custo/benefício talvez expliquem de maneira convincente o enorme sucesso que estes vinho vêm obtendo em todo o mundo.